Curiosidades do Mundo PET

Home    /    Curiosidades

Calopsita: Nymphicus hollandicus

31 de Agosto de 2020

A espécie Nymphicus hollandicus (Kerr, 1792), popularmente conhecida como Calopsita, é uma espécie de ave nativa da Austrália, amplamente distribuída por todo o território australiano, com populações mais densamente concentradas na região sudoeste do país. A espécie também é encontrada na ilha da Tasmânia, mas é considerada nesse ambiente como uma espécie exótica (Kavanau e Lee, 1987).

            As calopsitas são geralmente vistas em seu ambiente natural próximos a locais com fornecimento de água doce e preferem áreas de regiões abertas em oposição as florestas densas. Dessa forma, as maiores concentrações de calopsitas em continente australiano geralmente são vistos em regiões de savana ou pradarias, sempre próximos a uma fonte de água. São descritas geralmente como aves nômades, e constroem seus ninhos em cavidades de troncos mortos, sempre próximos à água. Seus ninhos são bem próximos ao chão, geralmente com distância entre um a dois metros acimo do solo (Pizzey e Knight, 1997).

            Descrita na literatura como membro da subfamília Cacatuinae, as calopsitas são os únicos representantes do gênero Nymphicus e são tratadas comumente como papagaios. São aves pequenas, com peso médio variando entre 80 a 100 g e comprimento total do corpo entre 29 a 35 cm (White et al., 2011). A cauda é longa, com comprimento médio de cerca de 15 cm. As penas que adornam a crista dessas aves possuem um comprimento de aproximadamente 5 cm, e são utilizadas como meio de comunicação. O ângulo em que a crista se apresenta é um indicativo do humor do pássaro (Allen e Allen, 1981).

            Existem diversas variações de cores para calopsitas criadas em cativeiro. Em ambiente natural, é evidente a diferença na plumagem entre machos e fêmeas (dimorfismo sexual). Os machos silvestres possuem coloração de sua plumagem predominantemente cinza escuro, com manchas brancas distribuídas na região superior das asas. A principal característica das calopsistas são suas “bochechas” de coloração alaranjada (brilhante e delimitada por uma borda branca nos machos e nas fêmeas é um tom mais laranja escuro sem delimitação de uma borda branca). Essas “bochechas” de coloração laranja na verdade delimitam a área próximo ao ouvido da ave, e como são penas modificadas, elas têm a função de proteção do ouvido além de minimizar a turbulência durante o vôo (Blakers et al., 1984).

            São aves monogâmicas. Em seu habitat natural, elas formam casais ainda bem jovens, e esses casais permanecem juntos e leais um ao outro durante todo o ano. Um comportamento curioso em relação as calopsitas é que, o ninho onde será chocado os ovos é um local pré-determinado pelo macho (antes mesmo de formar par com uma fêmea) e, depois de formarem os casais, os machos, entram e saem repetidas vezes do ninho, como um indicativo de segurança. Uma fêmea pode formar um ninho com 4 até 7 ovos por ninhada, e esses serão chocados por um período de 17 a 23 dias. Os filhotes geralmente deixam o ninho por volta da quinta semana após eclodirem. Os machos atingem a maturidade sexual por 13 meses de idade, nas fêmeas isso é mais tardio, por volta das 18 semanas de idade. As calopsitas possuem um imenso cuidado parental, os machos e as fêmeas atuam em conjunto, tanto na tarefa de chocar os ovos, quanto em relação aos cuidados e alimentação dos filhotes (Kavanau e Lee, 1987).

            As calopsitas em seu habitat natural possuem uma expectativa média de vida de 10 a 14 anos. Em cativeiro já é constatado que elas vivem muito mais. Dadas as exigências metabólicas e nutricionais desses animais, elas podem viver em média cerca de 15 a 25 anos, sendo que existem exemplares já registrados que viveram até 36 anos (McCaffery, 2009).

             As calopsitas são aves excepcionalmente sociais, embora sejam naturalmente tímidas. Quando essas aves se vêem acuadas ou alguma ameaça é percebida, elas geralmente alçam vôo e contraem todas as penas do seu corpo. As calopsitas não podem imitar com precisão a voz humana em comparação à outras espécies de aves, mas elas possuem a capacidade e imitar sons do ambiente e melodias (McCaffery, 2009).

            Em geral, as calopsitas são classificadas como aves forrageiras (Koutsos et al., 2001), e em ambiente natural sua dieta consiste principalmente de sementes, frutas, folhas, flores e até mesmo alguns insetos (Harcourt-Brown, 2000). Em cativeiro, como esses animais são mantidos em gaiolas ou viveiros, eles não desempenham o papel de voar por quilômetros como ocorre em ambiente natural por busca de alimento, além de ser oferecido em cativeiro um suprimento constante de alimento, muito superior à necessária para sua sobrevivência (Carciofi e Saad, 2001), podendo ocasionar obesidade no animal e dessa forma diminuir sua expectativa de vida. Partindo desse ponto de vista, é pouco indicado a alimentação constante dessas aves com sementes que possuam alta concentração de óleo, como por exemplo o girassol. Possuem 13 variações características da coloração da sua plumagem, sendo o Lutino, o mais extremo dessa variação, onde o animal é predominantemente branco ou amarelo-claro, com suas características bochechas laranjas (McCaffery, 2009).

            As calopsitas são aves extremamente ativas e adoráveis. São animais indicados para criação por donos que possuam apartamentos, por conta do seu tamanho, e também por preferirem serem criadas soltas dentro de casa ou no apartamento. Quando criadas em gaiolas, os cuidados com a manutenção e limpeza da mesma devem ser constantes, como também essas gaiolas devam disponibilizar para o animal alguns brinquedos para balancear o humor da calopsita. É comum nessas aves, quando estão sob forte stress, arrancarem as penas do próprio corpo com o bico.